Consulta diaria

Primeira leitura: Números 6,22-27 
Invocarão o meu nome sobre os filhos de Israel e eu os abençoarei.
Salmo: Sl 66,2-3.5.6.8 (R. 2a): 
Tenha Deus piedade de nós e nos abençoe.
Segunda leitura: Gálatas 4,4-7 
Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher.
Evangelio: Lucas 2,16-21
Encontraram Maria e José e o recém-nascido. E, oito dias depois, deram-lhe o nome de Jesus.

Quarta-feira, 1 de Dezembro de 2021 Santa Maria, Mãe de Deus (S.) 

Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura. Vendo-o, contaram o que se lhes havia dito a respeito deste me- nino. Todos os que os ouviam admiravam-se das coisas que lhes contavam os pastores. Maria conservava todas essas palavras, meditando-as no seu coração. Voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ou- vido e visto, e que estava de acordo com o que lhes fora dito. Completados que foram os oito dias para ser circuncidado o menino, foi-lhe posto o nome de Jesus, como lhe tinha chamado o anjo, antes de ser concebido no seio materno.

 

Comentário

Ao meditarmos sobre o nascimento de Jesus, chama-nos a atenção a pressa dos pastores em acolher a notícia que lhes tinha sido dada por um anjo: Não temais, eis que vos anuncio uma Boa-nova que será alegria para todo o povo: hoje nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura (Lc 2,10-12). Eles decidiram ir imediatamente até Belém para ver o que tinha acontecido. Essa decisão é graça de Deus e consequência da boa vontade daque- les homens de irem até a gruta onde estavam o Menino Jesus, Nossa Senhora e São José. Poderiam ter se desculpado de não irem porque tinham de ficar junto às ovelhas, porque não tinham o que lhe oferecer etc. Mas não: decidiram-se e foram. Acolhamos, também nós, a voz do Espírito Santo, e, quando ele nos mostrar nosso dever, peçamos que nos dê sua força, para nos decidirmos a fazê-lo o quanto antes. O “deixar para depois” pode ser sinônimo de “nunca”.