Consulta diaria

Primeira leitura: Is 42,1-4.6-7:
Eis o meu servo: nele se compraz minh'alma.
Salmo: Sl 28,1a.2.3ac-4.3b.9b-10 (R.11b):
Que o Senhor abençoe, com a paz, o seu povo!
Segunda leitura: At 10,34-38: 
Foi ungido por Deus com o Espírito Santo.
Evangelio: Lc 3,15-16.21-22:
Jesus recebeu o batismo. E, enquanto rezava, o céu se abriu.

 

 

Naquele tempo: O povo estava na expectativa e todos se perguntavam no seu íntimo se João não seria o Messias. Por isso, João declarou a todos: 'Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo. Quando todo o povo estava sendo batizado, Jesus também recebeu o batismo. E, enquanto rezava, o céu se abriu e o Espírito Santo desceu sobre Jesus em forma visível, como pomba. E do céu veio uma voz: 'Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu bem-querer.'

Comentário

A liturgia celebra hoje o batismo de Jesus. As leituras deste dia nos oferecem três elementos para refletir sobre o batismo do Senhor.

O primeiro elemento nós vamos encontrar no texto de Isaías, que nos fala da atitude do servo de Deus; este foi chamado e assistido pelo Espírito para levar a efeito uma missão especial no povo de Israel: fazer presente com sua vida a atitude mesma de Deus para com a humanidade; ou seja, evidenciar que Deus instaura sua justiça e sua luz por meio da fragilidade do ser humano. Portanto, é tarefa de todo batizado testemunhar que Deus está agindo em sua vida; sinal disso é sua maneira de existir no seio da comunidade; deve ser uma existência que promova a solidariedade e a justiça com os mais fracos, pois neles Deus age e salva; neles se torna presente a libertação sonhada por Deus.

O segundo elemento está presente no relato dos Atos dos Apóstolos. A intenção central deste relato é afirmar que a mensagem de salvação vivida e anunciada por Jesus de Nazaré, é para todos. A única exigência para ser partícipe da obra de Deus é iniciar um processo de mudança (respeitar a Deus e praticar a justiça), que consiste em abrir-se para Deus e abandonar todo tipo de egoísmo para poder ir, em total liberdade, ao encontro do outro, pois é no outro que Deus se manifesta. Seguindo o exemplo de Jesus, todo batizado tem o dever de "passar pela vida fazendo o bem”; tem a tarefa constante de mudar, de despojar-se de todo interesse egoísta para poder assim ser testemunha da salvação.

O evangelho de Mateus desenvolve o terceiro elemento que identifica o verdadeiro batismo: a obediência à vontade do Pai. “A justiça plena” a que se refere Jesus no diálogo com João Batista manifesta a íntima relação entre o Filho de Deus e o projeto do Pai. Isto significa que o batismo é a plenitude da justiça de Deus, já que as atitudes e comportamentos de Jesus têm como fim fazer a vontade de Deus. Esta obediência e abertura à ação de Deus afirma sua condição de filho; é filho porque obedece e se identifica com o Pai. Esta identificação de Jesus com o Pai (ser Filho de Deus) se corrobora nos fatos que acompanham o batismo: o céu “se abre”, desce o Espírito e uma voz comunica que Jesus é Filho predileto de Deus. É “filho” à maneira do servo sofredor de Isaías (Is 42,1): filho obediente que se encarna na história e participa completamente da realidade humana. O batismo, em consequência, provoca e mostra a atitude de toda pessoa aberta à divindade e vontade de Deus; e faz assumir, como modo normal de vida, o chamado a ser filho de Deus, identificando-nos em tudo com o Pai e procurando, com nossas atitudes, tornar presente a justiça e o amor de Deus.

Por desgraça, na atualidade o batismo se limitou ao mero rito religioso, desligando-o da vida e da experiência de fé da pessoa crente. Esqueceu-se que o batismo é um fato fundamental do ser cristão, pois teria que ser a expressão da opção fundamental da pessoa, opção que busca luz no exemplo de Jesus e pela qual se compromete a ser cristão.

Oração

Ó Deus, nosso Pai, que no batismo de Jesus proclamastes como vosso “Filho muito amado, o predileto”. Nós vos suplicamos: cobri-nos com o vosso nome e concedei-nos poder conformar-nos cada dia mais à sua imagem, tornando nossa a sua Causa e prosseguindo sua missão de ser “luz das nações” e de “implantar o Direito na terra”. Nós vo-lo pedimos por Jesus Cristo vosso Filho e nosso Senhor. Amém.

Santo do Dia
S. Aelredo
1109-1166 ? abade ? \"Aelredo? sugere a ideia de \"conselheiro?


O abade cisterciense S. Aelredo ou Etelredo nasceu na Inglaterra e ficou famoso pela integridade de vida, pela dedicação aos pobres e por suas pregações e escritos até hoje conservados. De família nobre, alcançou grande reputação e estima junto a Davi, rei da Escócia, filho de S. Margarida. Sabia ouvir com paciência e caridade não apenas os reclamos de quem se sentia desorientado e injustiçado, mas também as críticas contra sua pessoa. Atraído à vida monástica, aos 24 anos deixou tudo: amizades, posição social, honrarias, riquezas e privilégiose ingressou, em 1134, na Ordem Cisterciense. Em 1142, foi eleito abade do mosteiro de Revesby e logo assumiu também a direção da abadia de Rieval, em que vivia cerca de 300 monges. Sabia por experiência o significado e o valor da amizade sincera, chegando a afirmar que a via necessária para chegar a Deus é a do amor concreto e gratuito entre as pessoas. E que não era pequena consolação ter alguém a quem amar, unindo-se em íntima afeição e, assim, abraçar o amor total; alguém em que o nosso espírito possa descansar; alguém a quem abrir o coração para compartilhar alegrias e tristezas... A seu respeito, disse o abade Gilberto de Oilândia:
\"... Quem terá sido mais circunspecto no falar?... Era frágil no corpo, mas forte, vigoroso na alma... Jamais se encolerizava; suas palavras e ações traziam o cunho da unção e da paz da alma?.
Deixou numerosos escritos, como Descrição da guerra do estandarte; Genealogia dos reis da Inglaterra; A vida de S. Eduardo; Vida de S. Margarida, rainha da Escócia; Sermões do tempo e dos santos; Espelho da caridade; Amizade espiritual. Era tão comedido que \"mais parecia um ser espiritual do que um ser humano?. Nos últimos anos de vida, suportou com heroica paciência o sofrimento causado por uma sucessão de enfermidades.