Consulta diaria

Primeira leitura: 1Jo 4,7-10:
Deus é amor.
Salmo: Sl 71 (72), 1-2. 3-4ab. 7-8 (R. Cf. 11):
Os reis de toda a terra, hão de adorar-vos, ó Senhor!
Evangelio: Mc 6,34-44:
Multiplicando os pães, Jesus se manifesta como profeta.

 

 

Naquele tempo: Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas. Quando estava ficando tarde, os discípulos chegaram perto de Jesus e disseram: 'Este lugar é deserto e já é tarde. Despede o povo, para que possa ir aos campos e povoados vizinhos comprar alguma coisa para comer.' Mas, Jesus respondeu: 'Dai-lhes vós mesmos de comer.' Os discípulos perguntaram: 'Queres que gastemos duzentos denários para comprar pão e dar-lhes de comer?' Jesus perguntou: 'Quantos pães tendes? Ide ver.' Eles foram e responderam: 'Cinco pães e dois peixes.' Então Jesus mandou que todos se sentassem na grama verde, formando grupos. E todos se sentaram, formando grupos de cem e de cinquenta pessoas. Depois Jesus pegou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos para o céu, pronunciou a bênção, partiu os pães e ia dando aos discípulos, para que os distribuíssem. Dividiu entre todos também os dois peixes. Todos comeram, ficaram satisfeitos, e recolheram doze cestos cheios de pedaços de pão e também dos peixes. O número dos que comeram os pães era de cinco mil homens.

Comentário

O amor gera confiança e comunhão. As expressões da carta de João permitem ver a profundidade e generosidade do amor de Deus. Este é o núcleo do evangelho. Daí que a nossa relação com Deus não pode ser traduzida em desconfiança ou em temor. Aceitar o amor de Deus converte o crente em alguém amado por pura graça, não por mérito seu. É assim como Deus estabelece uma relação de gozosa paternidade conosco e funda nossa confiança filial. Porém, talvez, o mais próprio do amor seja gerar comunhão entre os que se amam. Viver conectado com alguém é talvez o afã mais urgente de nossa sociedade modernizada. Conectar-se é uma necessidade que os meios sociais transformaram em indústria lucrativa. No entanto, muito mais que isso, comunicar-se é o requisito para estabelecer a comunhão entre as pessoas. Somos seres em relação. A comunhão se expressa primeiramente em compartilhar pontos de vista ou bens e em desfrutar juntos. Por isso, cabe perguntar-nos ao início do ano: Com quem e onde queremos gerar confiança e comunhão de vida?

Santo do Dia
B. Alix Le Clercq
1576-1622 ? religiosa e fundadora ? \"Alix? em francês quer
dizer \"Alice?, forma abreviada de \"Elisabete?

Alix Le Clercq foi co-fundadora das Cônegas Agostinianas da Congregação de N. Senhora. Nasceu em Remiremont, França, em 1576. Orientada por S. Pedro Fourier, reuniu, por volta de 1597, um pequeno grupo de jovens dispostas a cuidar de crianças abandonadas e a ensiná-las a ler, escrever, costurar e, especialmente, a amar e servir a Deus. Esta idéia foi amadurecendo até que Alix Le Clercq e suas três companheiras, Ganthe André, Isabel, Joana de Louvroir, convenceram-se realmente de que aquela era a vontade de Deus sobre elas. Entretanto, somente em 1628, a Santa Sé confirmaria definitivamente as Cônegas Agostinianas da Congregação de N. Senhora. Sensível aos sofrimentos alheios, cultivava o silêncio interior. Sofreu provações e trevas espirituais, mas jamais perdeu a confiança em Deus. Sempre dizia que mais valia um ato de humildade do que uma centena de êxtases. Morreu aos 46 anos de idade.