Consulta diaria

Primeira leitura: Gl 2,1-2.7-14: 
Reconheceram a graça que me foi dada.
Salmo: Sl 116, 1. 2 (R. Mc 16,15): 
Ide, por todo o mundo, e a todos pregai o Evangelho.
Evangelio: Lc 11,1-4: 
Senhor, ensina-nos a rezar.

 

Um dia, Jesus estava rezando num certo lugar. Quando terminou, um de seus discípulos pediu-lhe: 'Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos.' Jesus respondeu: 'Quando rezardes, dizei: 'Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos, e perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação'.'

Comentário

 

Até a nossa maneira de orar precisa converter-se ao evangelho, ao modelo de oração de Jesus. Porque podemos rezar mal guiados por uma falsa imagem de Deus. O fariseu que foi ao templo para orar se equivocou em sua oração e saiu do templo pior do que quando entrou. Os discípulos como bons judeus tinham a obrigação de rezar várias vezes por dia. Por que agora pedem a Jesus para que lhes ensine a rezar? Na verdade eles caíram na conta que Jesus reza de outra maneira, Ele fala com Deus de outra forma. Nunca diz "Deus", mas Pai, Abbá, Paizinho querido e normalmente pede coisas diferentes. A oração do Pai-Nosso é, verdadeiramente, um método de oração. Ela nos anima a melhorar nossas orações. Sejamos sinceros: Que coisas pedimos? Que intenções colocamos no altar na hora da eucaristia: minha família, meus falecidos, minha saúde, minha viagem, meus exames? Quem reza pelas causas do reino? Na hora de rezar, quem chama a Deus de Pai, de Mãe? Quem transforma as notícias do mundo em temas de oração para que o reinado de Deus aconteça?

Santo do Dia

S. Daniel e companheiros

?1227 ? mártires ? \"Daniel? quer dizer em hebraico \"meu juiz
é o Senhor? ou \"é o Senhor que julga?

Sete anos após o martírio dos primeiros franciscanos, Beraldo e seus companheiros, em Marrocos, S. Daniel e sete companheiros partiram rumo à Ceuta para implantar entre os mouros a boa-nova, mas acabaram ali martirizados (10/10/1227). Os companheiros de S. Daniel eram Samuel Ângelo, Dônolo, Leão, Nicolau e Hugulino. Os frades foram presos assim que entraram em Ceuta. Lançados na prisão, passaram uma semana, aguardando o julgamento. Como persistissem inabaláveis na fé cristã, foram decapitados. O culto a S. Daniel e seus companheiros se popularizou desde 1516.