Consulta diaria

Primeira leitura: 1Cor 6,1-11: 
Irmão contra irmão vai a juízo, e isso perante infiéis!
Salmo: Sl 149, 1-2. 3-4. 5-6a.9b (R.4a): 
O Senhor ama seu povo de verdade.
Evangelio: Lc 6,12-19: 
Passou a noite toda em oração. Escolheu doze dentre os discípulos, aos quais deu o nome de apóstolos.

 

Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelota; Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor. Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. Vieram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele, e curava a todos.

Comentário

Uma das estratégias de Jesus em seu projeto de vida que Ele mesmo define como reinado de Deus, foi escolher discípulos como germes de uma nova humanidade, como brotos enxertados no tecido da vida humana, da vida das comunidades rurais, dos pobres da terra. É tão estratégico este plano, que precisa de uma noite inteira de oração para colocá-lo nas mãos do Pai, para discernir o caminho. E escolhe de dois em dois, como equipes, como redes, gente do povo, a base da construção de outra sociedade. Por isso Jesus baixa à planície, às praças. Não permanece na montanha, desce ao conflito da vida para lançar ali as redes, os brotos, o tecido de uma nova humanidade que vence o nacionalismo. Já não é um povo de raça escolhida que exagera seu nacionalismo e exclusivismo contra os outros povos. Agora são doze tribos, novas, universais, ecumênicas, que constroem pontes e destroem muros, sanadoras de doenças e purificadoras de espíritos maus que corromperam corações e estruturas.

Santo do Dia

Nossa Senhora do Bom Sucesso ou dos Agonizantes

Esta devoção nasceu em Portugal no século XV, quando era invocada para se obter uma \"boa morte?, pois esse era o \"maior sucesso? que um cristão podia desejar. Por volta de 1637, padre Miguel Costa trouxe de Portugal uma imagem que foi colocada na capela da Santa Casa de Misericórdia, no Rio de Janeiro, dando início a seu culto em terras brasileiras. Passados dois anos (11/9/1639), a Virgem do Bom Sucesso foi entronizada na igreja a ela dedicada, e muitas curas têm sido por ela operadas.
Ó Mãe dos agonizantes, não nos desampareis na hora da nossa morte, mas alcançai-nos o arrependimento dos nossos pecados e o perdão de todas as nossas faltas... Amparados por vós, cheguemos à bem-aventurança eterna onde convosco louvaremos vosso Filho Divino que nos salvou. Isso vos pedimos por nós e por todos os nossos parentes, benfeitores e amigos.