Consulta diaria

Primeira leitura: 1Cor 5,1-8: 
Lançai fora o velho fermento, pois o nosso cordeiro pascal, Cristo, já está imolado.
Salmo: Sl 5,5-6. 7. 12 (R. 9a): 
Na vossa justiça guiai-me Senhor!
Evangelio: Lc 6,6-11: 
Observavam, para verem se Jesus curaria em dia de sábado.

 

Aconteceu num dia de sábado que, Jesus entrou na sinagoga, e começou a ensinar. Aí havia um homem cuja mão direita era seca. Os mestres da Lei e os fariseus o observavam, para verem se Jesus iria curá-lo em dia de sábado, e assim encontrarem motivo para acusá-lo. Jesus, porém, conhecendo seus pensamentos, disse ao homem da mão seca: 'Levanta-te, e fica aqui no meio.' Ele se levantou, e ficou de pé. Disse-lhes Jesus: 'Eu vos pergunto: O que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar uma vida ou deixar que se perca?' Então Jesus olhou para todos os que estavam ao seu redor, e disse ao homem: 'Estende a tua mão.' O homem assim o fez e sua mão ficou curada. Eles ficaram com muita raiva, e começaram a discutir entre si sobre o que poderiam fazer contra Jesus.

Comentário

Nós, seres humanos, somos especialistas em fugir do compromisso em favor do próximo que encontramos ferido no caminho. Inventamos leis culturais e até ritos religiosos para livrar-nos do irmão caído. As religiões, sistemas econômicos e culturais e nacionalismos, inventaram desculpas para que não nos comprometamos com o irmão que passa dificuldade. Para Jesus, e seu projeto de mundo, inverte-se o esquema: antes de tudo o ser humano caído, depois o sábado. E o sábado foi inventado para fortalecer o amor pelos que sofrem, pelos escravos do Egito, é um dia para continuar celebrando e programando a liberdade dos cativos, para saciar a fome dos famintos. Temos uma capacidade perversa de excusar-nos da libertação dos oprimidos inventando leis supostamente sagradas, contanto que nos distancie da carne de Cristo que são os sofredores que têm as mãos paralíticas, como no personagem do evangelho. Jesus, senhor do sábado, liberta o oprimido e liberta a mesma tradição do sábado para que volte a seu projeto original.

Santo do Dia
S. Nicolau de Tolentino

1245-1305 ? agostiniano ? protetor dos injustiçados e invocado
contra incêndios e epidemias e para obter uma boa morte ? \"Nicolau?
significa \"vencedor do povo?


Nicolau de Tolentino nasceu em Sant?Ângelo in Pontano, Ancona, Itália, em 1245. Aos 15 anos, ingressou no convento dos Eremitas de S. Agostinho. Em 1269, ordenou-se sacerdote, em Cingoli. Em 1275, foi para Tolentino e lá viveu até o fim da vida. Distinguiu-se pela vida ascética e por sua moderação. Exigente consigo mesmo, era dotado de grande e extrema cordialidade para com as pessoas. Passou a maior parte da vida celebrando o perdão, visitando os pobres e desamparados, trabalhando pela promoção social, criando fundos de amparo aos necessitados. É invocado pelos injustiçados, oprimidos e encarcerados. É invocado também contra incêndios e epidemias e para obter uma boa morte. É o protetor da maternidade e da infância. Quando estava para morrer, uma intensa alegria apoderou-se do seu rosto. E quando perguntaram de onde vinha tal alegria, respondeu: \"Deus está presente, e meu Deus, Jesus Cristo, com sua Mãe e o nosso Pai Agostinho, que me diz: ?Bravo, bom e fiel servo!? (Leite, op. cit. p. 40). Morreu em Tolentino aos 10 de setembro de 1305.