Consulta diaria

Primeira leitura: 2Rs 22,8-13; 23,1-3: 
O rei leu diante do povo o conteúdo do livro da Aliança que tinha sido achado na casa do Senhor; e concluiu a aliança diante do Senhor.
Salmo: Sl 118, 33. 34. 35. 36. 37. 40 (R. 33a): 
Ensinai-me a viver vossos preceitos, ó Senhor!
Evangelio: Mt 7,15-20: 
Pelos seus frutos vós os conhecereis.

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Cuidado com os falsos profetas: Eles vêm até vós vestidos com peles de ovelha, mas por dentro são lobos ferozes. Vós os conhecereis pelos seus frutos. Por acaso se colhem uvas de espinheiros ou figos de urtigas? Assim, toda árvore boa produz frutos bons, e toda árvore má, produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar frutos maus, nem uma árvore má pode produzir frutos bons. Toda árvore que não dá bons frutos é cortada e jogada no fogo. Portanto, pelos seus frutos vós os conhecereis.

Comentário

A leitura do evangelho de hoje nos convida à vigilância. Nesta oportunidade o ensinamento de Jesus adquire um tom de advertência: Cuidado com os falsos profetas! Relida hoje, esta exortação do Mestre exige de toda pessoa e da comunidade eclesial "cair na conta" dos falsos mensageiros que agem como messias políticos comprando consciências, negociando com a palavra de Deus e criando mecanismos religiosos que desumanizam. Neste sentido, como distinguir um autêntico profeta? (1) O profeta é uma pessoa incômoda porque não faz conluio com nenhum poder opressor, dado que sua origem e identidade provêm de Deus e de sua Palavra. (2) Os autênticos profetas põem sua energia na mensagem humanizadora da palavra de Deus. (3) Têm uma experiência radical de Deus por sua lucidez histórica, por sua profundidade espiritual e sua capacidad contemplativa. (4) A mensagem transmitida pelo profeta é autenticada pela sua própria vida e pela própria história. (5) Denunciam a idolatria cultual, a depravação política e o comércio espiritual. Você está disposto a viver profeticamente?

Santo do Dia

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro


Esta devoção mariana liga-se a um quadro da Virgem com o Menino Jesus nos braços. Essa pintura (séc. XIII) teria saído do Oriente (Creta) e passado de mão em mão até chegar a Roma, ficando guardada na Igreja de S. Mateus (1449). Em 1866 a pintura foi reencontrada nas ruínas daquela antiga igreja e confiada aos padres redentoristas por Pio IX. Hoje o quadro se encontra na igreja de Santo Afonso em Roma. É invocada com a seguinte oração:
Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que têm recorrido à vossa proteção, implorado vosso auxílio e reclamado vosso socorro, fosse por vós desamparado. Animado eu, pois, com igual confiança, a vós, Virgem das virgens, como a Mãe recorro, em vós me acolho e, gemendo sob o peso de meus pecados, me prostro a vossos pés. Não desprezeis as minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus encarnado, mas dignai-vos de as ouvir propícia e de me alcançar o que vos rogo. Amém.