Consulta diaria

Primeira leitura: Is 49,1-6: 
Eu te farei luz das nações, para que minha salvação chegue até aos confins da terra. (2º canto do Servo do Senhor)
Salmo: Sl 138(139),1-3.13-14ab.14c-15 (R. 14a): 
Eu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, porque de modo admirável me formastes!
Segunda leitura: At 13,22-26: 
Antes que Jesus chegasse, João pregou um batismo de conversão.
Evangelio: Lc 1,57-66: 
Nascimento de João Batista.

 

Completou-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela deu à luz um filho. Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Isabel, e alegraram-se com ela. No oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. A mãe porém disse: Não! Ele vai chamar-se João. Os outros disseram: Não existe nenhum parente teu com esse nome! Então fizeram sinais ao pai, perguntando como ele queria que o menino se chamasse. Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu: João é o seu nome. No mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu, sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus. Todos os vizinhos ficaram com medo, e a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Judéia. E todos os que ouviam a notícia, ficavam pensando: O que virá a ser este menino? De fato, a mão do Senhor estava com ele.

Comentário

Neste domingo celebramos a festa de São João Batista, "o precursor", como é conhecido popularmente, por sua missão de anunciar e preparar a chegada dos tempos messiânicos, que se cumprem em Jesus.

Das figuras contemporâneas a Jesus poucas receberam tanta atenção entre judeus e cristãos como a figura de João Batista. Nem sequer figuras tão proeminentes na história do cristianismo como Paulo ou Pedro. Os quatro evangelhos colocam o início da atividade evangelizadora de Jesus relacionada com o batismo de João. Flávio Josefo, um historiador judeu do final do século I, dedica mais páginas ao Batista que a outros personagens da época, e até o considera o profeta mais importante de seu tempo.

A atividade de João Batista acontece no deserto, como a de outros movimentos contestatórios frente ao carreirismo das autoridades do Templo e ao despótico poder romano. Igualmente a outros movimentos, João identifica-se com a atividade penitencial e ascética. Sua pregação se caracteriza pelo chamado à conversão, ao arrependimento, o retorno aos caminhos de Deus. Não tem medo de chamar os seus compatriotas de "raça de víboras", um apelativo tão forte que até hoje temos dificuldade para aceitar. Denuncia sem vacilar o servilismo da dinastia herodiana frente aos romanos invasores. Critica duramente a falta de respeito entre os irmãos príncipes Filipe e Antipas, que disputam a mesma mulher e misturam os assuntos do Estado com os problemas conjugais. João faz do batismo um símbolo dessa mudança de vida ao qual o Povo de Deus é constantemente chamado por meio dos profetas.

A figura de João calou profundamente no imaginário cristão e na simpatia do povo de Deus: parente de Jesus, asceta e místico, profeta corajoso e denunciador, pregador ardoroso da conversão... João conquistou um lugar privilegiado no universo cristão. Talvez por isso sua festa tenha sido fixada no solstício do verão boreal, a "noite mais curta do ano" no hemisfério norte (é "a noite de São João", noite do fogo e de vigília festiva ao redor das fogueiras...), ou a mais comprida do ano no hemisfério sul, ou um dia insignificante na região equato-tropical. Esse acontecimento astronômico já era conhecido e celebrado na antiguidade, antes do cristianismo. Talvez o estabelecimento da celebração de São João mesta data obedeça ao esforço de cristianizar uma festa pagã (o mesmo se deu com a festa do nascimento de Jesus, quando se pretendeu cristianizar a data astronômica do solstício do inverno boreal, data também de celebrações bem anteriores, ancestrais, ao redor desse fenômeno astronômico estacional).

A primeira leitura, de Isaías, fala também do ministério profético diante das nações, preparando os caminhos de Deus.

A leitura dos Atos que lemos hoje é o fragmento mais explícito e ao mesmo tempo sumário sobre João Batista nesse livro.

O evangelho nos apresenta o nascimento de João rodeado de sinais extraordinários. Zacarias, seu pai, recebe o encargo de cuidar dele numa revelação que teve no Templo, enquanto exerce os serviços sacerdotais. Neste texto destaca-se a vocação profética de João e o motivo de seu nome: Deus terá compaixão de seu povo e lhe enviará um mensageiro que vai conduzi-lo pelo caminho que leva ao encontro com Deus. A missão de João Batista servirá de marco para a ação evangelizadora de Jesus, que retomará o chamado à conversão e preparará uma comunidade para a irrupção definitiva do Reino. Assim se configura e se define a autêntica vocação de João, que denuncia as contradições de seu tempo e anuncia a esperança de um ungido de Deus que deverá transformar radicalmente a situação do povo.

Com o nascimento de João cumpre-se o que foi anunciado a Zacarias e a promessa se torna realidade. A esterilidade de alguns pais, vencida pelo nascimento de um filho, é fonte de alegria, júbilo e regozijo que envolve e contagia os vizinhos e parentes, como já havia predito o mensageiro de Deus.

Na narrativa do nascimento, Lucas especifica dois aspectos importantes: o da misericórdia de Deus que se manifesta em favor do povo, ao tirar a vergonha da esterilidade que pesava sobre Isabel, precisamente sobre a esposa de um sacerdote encarregado do serviço litúrgico no templo de Jerusalém, e por outra parte, o significado do nome de João ("Deus mostrou o seu favor"), com o qual se evidencia a presença da miseriórdia divina, que recai não somente sobre uma pessoa em particular, Isabel neste caso, mas alcança a totalidade do povo.

Ao relato do nascimento de João segue o de sua circuncisão, imposição do nome, e sua manifestação pública. Pela circuncisão, João fica indelevelmente marcado com o "sinal da Aliança", sinal visível da incorporação ao povo de Israel. Essa marca na própria carne faz de João partícipe da bênção prometida pelo Senhor a seu povo eleito, capacita-lhe para celebrar a Páscoa como festa da comunidade e confirma suas esperanças de compartilhar com todos os seus antepassados a restauração futura e definitiva. O rito da circuncisão compreendia igualmente a obrigação de uma escrupulosa observância da lei de Moisés. A incorporação do precursor do Messias ao povo de Israel é muito importante para Lucas, não somente porque prefigura a incorporação do próprio Jesus a esse mesmo povo, mas também porque Lucas se esforça por demonstrar que o cristianismo é uma derivação lógica do judaísmo. Por isso precisa ficar bem claro que os pilares desse novo modo de vida, são de raízes profundamente judaicas.

A imposição de um nome como o de "João" rompe radicalmente com a tradição familiar. Como era costume, os vizinhos e parentes tinham certeza que o menino receberia o mesmo nome do pai. O acordo entre a mãe e o pai num nome que não era familiar aparece como um sinal onde se reflete o favor de Deus. A Misericórdia divina não apenas se manifesta num casal de idade avançada, de vida irrepreensível, mas alcança a totalidade de Israel. Portanto, quando Zacarias recupera a fala, todos os vizinhos se interrogam sobre o futuro desse menino.

A festa de hoje nos convida a refletir sobre a misericórdia, a compaixão e a generosidade divina, que caracterizam este novo período da história da salvação que começa a manifestar-se com o nascimento de João Batista. Misericórdia sem limites e sem medida, que engrandece e liberta, que é sinal de vida porque resgata alguns anciãos da morte por causa da esterilidade. Esta festa nos interpela também sobre nossa experiência da misericórdia de Deus, sobre a maneira como a estamos fazendo explícita com gestos e atitudes: acolhida, solidariedade com os desprezados, convite a todos aqueles que desejam um mundo novo "segundo o coração de Deus" a comprometer-se na construção do mesmo. Qual é nossa missão com respeito ao anúncio da irrupção da presença definitiva de Deus em nossas vidas?

Oração

Ó Deus, Pai misericordioso, que quisestes preparar os caminhos de vosso Filho enviando João Batista como seu "precursor"; fazei-nos todos "precursores" de vosso Filho, para que aplainemos os caminhos e eliminemos os obstáculos ao crescimento do Amor e da Unidade. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.

Santo do Dia

Nascimento de S. João Batista

séc. I ? profeta ? \"João? quer dizer \"o Senhor é misericordioso?


Precursor de Jesus, João Batista foi o último e grande profeta do Antigo Testamento. Filho tardio de Isabel e Zacarias, conclamava o povo ao batismo de penitência e conversão para a vinda do Messias. Vivia pelos desertos, alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre e cobria-se com uma veste de couro. Sua vida austera e radical avalizava a contundente denúncia movida contra os poderosos da época e justifica a sua prisão e morte (cf. Mt 3,1ss). Foi ele quem batizou a Jesus no rio Jordão. É invocado com a seguinte oração:
S. João Batista, voz que clama no deserto: \"Endireitai os caminhos do Senhor... fazei penitência, porque no meio de vós está quem vós não conheceis e do qual eu não sou digno de desatar os cordões das sandálias?, ajudai-me a fazer penitência das minhas faltas para que eu me torne digno do perdão daquele que vós anunciastes com estas palavras: ?Eis o Cordeiro de Deus, eis aquele que tira os pecados do mundo? . S. João pregador da penitência, rogai por nós. S. João, precursor do Messias, rogai por nós. S. João, alegria do povo, rogai por nós?.