Consulta diaria

Primeira leitura: At 1,1-11: 
Jesus foi levado aos céus, à vista deles.
Salmo: Sl 46,2-3.6-7.8-9 (R.6): 
Por entre aclamações Deus se elevou, o Senhor subiu ao toque da trombeta.
Segunda leitura: Ef 1,17-23: 
E o fez sentar-se à sua direita nos céus.
Evangelio: Mc 16,15-20: 
Foi levado ao céu e sentou-se à direita de Deus.

 

Naquele tempo: Jesus se manifestou aos onze discípulos, e disse-lhes: Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado. Os sinais que acompanharão aqueles que crerem serão estes: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas; se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal não lhes fará mal algum; quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados. Depois de falar com os discípulos, o Senhor Jesus foi levado ao céu, e sentou-se à direita de Deus. Os discípulos então saíram e pregaram por toda parte. O Senhor os ajudava e confirmava sua palavra por meio dos sinais que a acompanhavam.

Comentário

O tema central deste domingo é, sem dúvida, "a Ascensão", a subida mesma de Jesus ao céu. Um segundo tema é o do "mandato missionário" cuja cena o autor dos Atos dos Apóstolos compôs para colocar na boca de Jesus.
No primeiro tema, "a ascensão mesma", não serão poucos os pregadores que simplesmente vão dá-la por suposta, como se fosse indubitavelmente histórica em sua literalidade textual; haverá crentes simples, que ainda crêem que Jesus empreendeu uma subida física e vertical "para o céu", que sairão da missa com a mesma fé de sempre na Ascensão, a mesma que tiveram nossos avós, e os avós de seus avós.
Outros pregadores tratarão o tema da ascensão com uma calculada ambiguidade em suas palavras, de forma a não afirmar explicitamente a historicidade literal da "subida", mas tampouco a questionará; simplesmente, irão deixá-la aí, num simbolismo implícito, e saltar por cima dela para centrar-se no segundo tema, do mandato missionário.
Uma terceira atitude seria a de abordar o tema "agarrando o touro pelos chifres", ou seja, fazendo os fiéis caírem na conta, explicitamente, de que hoje, ser cristão não implica absolutamente a necessidade de crer numa "subida física de Jesus" para nenhuma parte. Não vamos nos estender aqui num tema que requer uma explicação clara e detalhada.
O tema do mandato missionário está associado à Ascensão por tradição. O final do evangelho de Marcos é que associa um mandato de Jesus no momento de "sua despedida antes de partir para o céu". Hoje sabemos que tal despedida-subida não é histórica, mas uma genial composição literária de Lucas, e que o capítulo final do evangelho de Marcos é um acréscimo posterior, não original. Isso não prejudica em nada a Missão. Ela não recebe sua força por ter sido realmente proclamada desse modo precisamente na cena da Ascensão. A Missão tem outro fundamento, alheio à historicidade da cena da Ascensão. Por isso não beneficia a Missão justificá-la com um procedimento mítico: "Jesus, antes de subir ao céu para ir ao lugar de onde havia vindo, ao despedir-se, pediu a seus amigos que assumissem a missão, agora numa nova etapa, até os confins do mundo". Proceder assim, com esta argumentação "mítica" -que foi uma argumentação bem tradicional-, diminui a missão, porque rebaixa seus fundamentos até a categoria do mito. Definir a missão e seu fundamento exigirá o recurso a outros fundamentos.
Podemos proclamar aqui, muito oportunamente, um princípio conhecido no âmbito "dos novos paradigmas": não precisamos de novas interpretações elaboradas a partir de velhos pressupostos, mas propostas novas, desde pressupostos realmente novos. Não arranjos dos ingredientes de sempre, mas uma teologia realmente nova, desde pressupostos novos, embora, de início, possa parecer chocante.

Oração

Deus, nosso Pai, ao celebrarmos com alegre esperança a exaltação de vosso amado Filho, que foi crucificado por ser fiel à vossa vontade de vida digna para todos e todas, nós vos pedimos que, com a força do Espírito, possamos seguí-lo no serviço de vosso Reino de justiça, de amor e de paz. Tudo isso vos pedimos inspirados em Jesus de Nazaré, vosso Filho e nosso irmão. Amém.

Santo do Dia
Nossa Senhora de Fátima

\"Fátima? tem muitos significados, entre os quais: \"a que deixou de mamar?, 
\"a esplêndida?, \"a fecunda?

As aparições de Nossa Senhora, em Fátima, aos três pastorinhos portugueses, Lúcia, 10 anos, Francisco, 9 e Jacinta, 7 anos, iniciaram-se no dia 13 de maio de 1917. A Virgem pediu-lhes que ali viessem por seis meses seguidos no dia 13 à mesma hora. Pediu também que rezassem o terço todos os dias pela paz do mundo e o fim da guerra (I Guerra Mundial). A notícia espalhou-se rapidamente e uma grande multidão acorreu a Fátima e foi testemunha de numerosos prodígios, como o giro do Sol sobre si mesmo. Em 1946, perante uma multidão de 800 mil pessoas, Nossa Senhora foi coroada solenemente em Fátima. No dia 13 de maio de 2000, Jacinta e Francisco foram beatificados por João Paulo II. A Virgem de Fátima é invocada com a seguinte oração:

Santíssima Virgem, nos montes de Fátima vos dignastes revelar a três pastorinhos os tesouros de graças contidos na prática do vosso santo rosário. Incuti profundamente em nós o apreço a essa devoção, a vós tão querida, a fim de que, meditando os mistérios da redenção, nos aproveitemos de seus preciosos frutos e alcancemos a graça.... que vos pedimos, se for para melhor colaborarmos com a glória de Deus, que é a vida em abundância do ser humano. Amém. 
(Em seguida 13 de maio 281 Maio reza-se o pai-nosso, a ave-maria e o glória).