Consulta diaria

Primeira leitura: Hb 12,4-7.11-15: 
O Senhor corrige a quem ele ama.
Salmo: Sl 102,1-2. 13-14. 17-18a (R. Cf. 17): 
O amor do Senhor por quem o respeita, é de sempre e para sempre.
Evangelio: Mc 6,1-6: 
Um profeta só não é estimado em sua pátria.

4a SEMANA DO TEMPO COMUM São Brás, Bispo e Mártir e Santo Oscar, Bispo (Memórias facultativas)

Naquele tempo: Jesus foi a Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam. Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: 'De onde recebeu ele tudo isto? Como conseguiu tanta sabedoria? E esses grandes milagres que são realizados por suas mãos? Este homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? Suas irmãs não moram aqui conosco?' E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus lhes dizia: 'Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares'. E ali não pôde fazer milagre algum. Apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. E admirou-se com a falta de fé deles. Jesus percorria os povoados das redondezas, ensinando.

 

Comentário

Jesus sente na própria carne o desprezo por parte dos seus, na sua cidade natal, onde todos o conhecem e conhecem a sua família. É lá, e não em outro lugar, que eles desprezam seu ensinamento. Eles perguntam de onde ele tira essa inteligência e essa forma de discernir na vida, se todos conhecem sua origem. Jesus cai em desgraça no meio do seu povo, simplesmente porque o seu modo de pensar, falar e agir não se coaduna com o modo tradicional, instituído e aceito como normal, no meio dos seus concidadãos. É o que acontece com frequência permanente em qualquer círculo social, cultural ou religioso humano, quando alguém sai do esquema tradicional: é condenado, estigmatizado, expulso. Esse atrevimento geralmente costuma ser pago com a própria vida. Ser como Jesus e optar pela causa que escolheu traz sérios problemas com a família, com a sociedade, com a religião. Estamos dispostos a assumi-los?

Santo do Dia
S. Brás
séc. III ? bispo e mártir ? invocado contra os males da garganta e difteria ? \"Brás? deriva de \"Basílio? e significa \"régio?, real?

Médico de Sebaste, Armênia, Brás abandonou tudo para dedicar-se inteiramente a Deus. Escolhido bispo de Sebaste, refugiou-se numa caverna e lá vivia cercado de gente que buscava nele alívio em suas aflições, especialmente os males da garganta. Bestas ferozes (leões, tigres, ursos...) vinham a ele, obedientes como dóceis animais domésticos. Preso, foi degolado na perseguição de Licínio. É invocado com a seguinte oração:

Ó S. Brás, que recebestes de Deus o poder de proteger as pessoas contra as doenças da garganta e outros males, afastai de mim a doença que me aflige, conservai minha garganta sã e perfeita. Eu vos prometo, S. Brás, que minha fala será sempre de verdade e não de mentira, de justiça e não de calúnia, de bondade e não de aspereza, de compreensão e não de intransigência, de perdão e não de condenação... de calma e não de irritação, de desapego e não de egoísmo..., de ânimo e não de derrotismo, de conformidade e não de lamúrias. De amor e não de ódio. De alegria e não de tristeza. De fé e não de descrença. De esperança e não de desespero. S. Brás, conservai minha garganta livre das doenças, a fim de que minhas palavras possam louvar a Deus, meu Criador, e agradecer a vós, meu protetor. Amém.

 Outros santos do dia: Adelino de Dinant (abade), Anatólio de Salins (bispo), Celerino de Cartago (mártir), Teodoro de Marselha (bispo), Lourenço de Cantuária (monge, bispo) e Oscar (bispo).