Consulta diaria

Primeira leitura: Hb 11,1-2.8-19: 
Esperava a cidade que tem Deus mesmo por arquiteto e construtor.
Salmo: Lc 1,69-70. 71-72. 73-75 (R. Cf. 68): 
Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque a seu povo visitou e libertou!
Evangelio: Mc 4,35-41: 
Quem é este a quem até o vento e o mar obedecem?

3a SEMANA DO TEMPO COMUM

Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus discípulos: 'Vamos para a outra margem!' Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo, assim como estava na barca. Havia ainda outras barcas com ele. Começou a soprar uma ventania muito forte e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já começava a se encher. Jesus estava na parte de trás, dormindo sobre um travesseiro. Os discípulos o acordaram e disseram: 'Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?' Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar: 'Silêncio! Cala-te!' O ventou cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: 'Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?' Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros: 'Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?'

 

Comentário

A experiência da fé foi confundida com a assimilação de doutrinas e especulações sobre o mundo celestial e a vida no além. Mas Jesus, que tem uma capacidade extraordinária de simplificar tudo, e tornar simples o que parece complicado, indicando com o seu próprio exemplo de vida, uma novidade sobre a fé, até então desconhecida por quem praticava qualquer tipo de religião.Até então a fé era geradora de medo, angústia e temor. Com Jesus, a fé no Pai é uma experiência que se expressa por uma confiança tão forte e avassaladora na qual o medo não tem lugar. A fé não é uma "cabine de segurança" que impede a chegada de problemas. Os crentes não são pessoas sem problemas, dificuldades e contradições. Não é para isso que serve a fé. Não se deixe enganar por grupos religiosos que ensinam essas ideias. A fé é uma experiência de confiança total em Jesus, que permite olhar as dificuldades da vida com outra perspectiva.

Santo do Dia
S. Jacinta Marescotti
1585-1640 ? clarissa ? \"Jacinto? refere-se à flor que tem este nome

Nascida em 1585, seu nome de batismo era Clarissa, sendo Jacinta seu nome religioso. Embora os pais a colocassem no convento para que fosse educada, Jacinta levava uma vida negligente. Intimidada pelo pai, ingressou no mosteiro de S. Bernardino de Viterbo, da Ordem Terceira de S. Francisco. Ali chegando, mandou lhe construíssem um aposento particular, luxuosamente decorado e mobiliado. Negligente no cumprimento dos deveres, viveu 10 anos de vida irregular. Um dia, gravemente enferma, foi repreendida severamente pelo seu confessor espiritual. Mudou, então, radicalmente de vida, passando a viver de modo austero. Fundou um hospital para enfermos idosos e uma entidade para angariar fundos a necessitados. Certa vez afirmou que o tipo de gente que mais a agradava eram os desprezados, os destituídos de orgulho e de prepotência e os que tinham pouca consolação sensível. Para ela o verdadeiro sinal do Espírito de Deus era carregar sua cruz sem lamúrias, enfrentar o sofrimento e perseverar firmemente apesar do vazio de toda doçura e prazer da oração. Morreu em 1640, com 55 anos de idade, sendo canonizada em 1807.


Outros santos do dia: Agripino de Alexandria (bispo), Alexandre de Jerusalém (mártir), Barso de Edessa (bispo) e Hipólito de Antioquia (presbítero, mártir).