Consulta diaria

Primeira leitura: Os 6,1-6: 
Quero amor e não sacrifícios.
Salmo: Sl 50, 3-4. 18-19. 20-21ab (R. Cf.Os 6,6): 
Eu quis misericórdia e não o sacrifício!
Evangelio: Lc 18,9-14: 
O cobrador de impostos voltou para casa justificado, o outro não.

Naquele tempo: Jesus contou esta parábola para alguns que confiavam na sua própria justiça e desprezavam os outros: 'Dois homens subiram ao Templo para rezar: um era fariseu, o outro cobrador de impostos. O fariseu, de pé, rezava assim em seu íntimo: 'Ó Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens, ladrões, desonestos, adúlteros, nem como este cobrador de impostos. Eu jejuo duas vezes por semana, e dou o dízimo de toda a minha renda'. O cobrador de impostos, porém, ficou à distância, e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu; mas batia no peito, dizendo: 'Meu Deus, tem piedade de mim que sou pecador!' Eu vos digo: este último voltou para casa justificado, o outro não. Pois quem se eleva será humilhado, e quem se humilha será elevado.'

Comentário

Jesus contrapõe dois modelos de vida cristã. Um deles, é representado pela atitude de um fariseu que reza e age de maneira arrogante e autossuficiente. Sua oração parece um monólogo para autoengradecer-se e solicitar o aplauso de Deus. Sente-se superior, separado dos demais e com a autoridade para julgar severamente o seu próximo. Estamos aqui diante de uma aplicação concreta do evangelho de ontem. O fariseu cumpre com toda a observância religiosa, mas carece de misericórdia e amor ao próximo. No outro lado está o cobrador de impostos, que ora a Deus com simplicidade, humildade e absoluta confiança. Deus prefere a oração do publicano, não porque justifica a injustiça e cobiça própria dos cobradores de impostos, que exploravam os mais pobres, mas porque valoriza sua humildade, arrependimento e desejo de conversão. Em nossas vidas, seguramente já tivemos momentos de fariseus, mas também de publicanos, momentos de arrogância nos quais nos cremos superiores aos demais e, outros, onde com humildade, pusemos nossa confiança na misericórdia de Deus. O que pesa mais hoje, em nossa vida?

Santo do Dia

B. Maria Eugênia Millaret

1817-1898 ? Fundadora da Congregação Nossa Senhora da Assunção. \"Maria? tem muitos significados, como \"amada?, \"senhora?, \"predileta do Senhor?, \"excelsa?, \"suprema?

Madre Millaret nasceu em 1817, em Metz, França. Bem cedo conheceu o sofrimento: o pai caiu na falência, d ois irmãos morreram prematuramente, a mãe morreu louca, vítima da cólera. Sem amparo dos pais e jogada ao léu, Maria Eugênia teve uma adolescência cheia de crise, solidão e angústia. Sua vocação nasceu em Notre-Dame, despertada pelas palavras de Lacordaire. Juntamente com o padre Combalot, fundou a congregação religiosa de Nossa Senhora da Assunção, em 1839. Em 1898, quando morreu, a congregação já havia se espalhado por 30 países, no mundo inteiro. As filhas da Assunção dedicam-se, mediante uma vida intensa de oração e adoração, à educação. Madre Millaret foi beatificada por Paulo VI no dia 9 de fevereiro de 1975.