Consulta diaria

Primeira leitura: 1Rs 11,29-32; 12,19: 
Israel rebelou-se contra a casa de Davi.
Salmo: Sl 80, 10-11ab. 12-13. 14-15 (R. Cf. 11a.9a): 
Ouve, meu povo, porque eu sou o teu Deus!
Evangelio: Mc 7,31-37: 
Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar.

Naquele tempo: Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galiléia, atravessando a região da Decápole. Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. Olhando para o céu, suspirou e disse: 'Efatá!', que quer dizer: 'Abre-te!' Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade. Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. Muito impressionados, diziam: 'Ele tem feito bem todas as coisas: Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar'.

Comentário

Jesus, rompendo barreiras e obstáculos, convida-nos a aproximar-nos. Agora, em terra pagã, cura a um surdo. É um claro convite de Marcos para mostrar que a participação dos "diferentes" de nós, no banquete da vida de Jesus é uma realidade, não ficção. Deus leva a feliz termo em Jesus as promessas que havia oferecido em seu projeto de salvação. Por isso as exclamações do povo ao final deste relato que nos enche de esperança para continuar comprometendo-nos con Jesus e o Reino. Este surdo é a melhor representação de todos nós quando somos incapazes de ouvir e proclamar-louvar a Deus com nossas vidas de maneira especial na relação e serviço com os que nos rodeiam. Hoje o Senhor volta a dizer-nos "Abre-te!" para construir pontes com os demais. "Efatá!" e rompe suas inércias, sua dureza de coração, seu isolamento na família e com quem você trabalha e convive, e especialmente o medo do otro que vai deixando você sozinho, sem sentido da vida, surdo e sem fala. Abra-se ao Reino e a seu compromisso.

Santo do Dia

S. Apolônia de Alexandria

séc. III ? mártir ? patrona dos dentistas e invocada contra a dor de dentes e contra as doenças da boca ? \"Apolônia? quer dizer consagrada a Apolo,
deus grego dos oráculos, mensageiro dos acontecimentos

Apolônia morreu em Alexandria por volta de 249. S. Dionísio, bispo de Alexandria, conta que a multidão ficou enfurecida e começou a saquear as casas dos cristãos, levando à morte muitos deles. Pegaram, então, Apolônia, que era uma virgem diaconisa já em idade avançada, cortaram-lhe os seios e arrancaram-lhe os dentes. Depois fizeram uma fogueira e ameaçaram jogá-la nas chamas se não renegasse sua fé. Apolônia caminhou serena e altiva para as chamas e testemunhou sua fé, deixando-se consumir pelo fogo. Seu culto se difundiu primeiro no Oriente e depois no Ocidente, onde foi considerada filha de um senador romano, morto na perseguição de Juliano, o Apóstata.